BOSTON – “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí,” a marchinha de carnaval de Moacir Franco poderia ser a trilha sonora para um golpe que vem lesando brasileiros nos EUA: a clonagem de WhatsApp. Hackers estão invadindo contas particulares na rede social e têm como mira os amigos e parentes das vítimas para quem pedem dinheiro.

O brasileiro Adson Fernandes, de Boston, teve a sua conta hackeada na semana passada e um alerta dado por um amigo de New Hamp-shire evitou que os criminosos conseguissem pegar din-heiro. Segundo o especialista em crimes virtuais, Gleison Nunes, o hacker chama as pessoas que parecem ser amigos ou conhecidos mais próximos e se passa pelo dono da conta para pedir dinheiro usando poucas palavras, se possível neutras o suficiente para não levantar suspeitas.

Para clonar o aplicativo, Nunes explica que o criminoso geralmente envia mensagens à vítima pedindo para que abra algum link ou foto; isso pode ser o suficiente para ele acessar o celular da pessoa e tomar posse da conta.

“Ou invadem pelo sistema operacional e vão direto ao WhatsApp que é mais vulnerável do que um aplicativo de banco, por exemplo”, disse ele.

Um outro brasileiro mostrou que havia recebido uma mensagem de texto onde o golpista dizia que havia mandado por engano para ele um código de seu WhatsApp. Mas o número se reenviado abre o comando de segurança do celular e o hacker entra e toma posse do aplicativo.

Fernandes conta que o amigo que desconfiou do golpe saiu imediatamente de New Hampshire e foi a Boston. “Esse rapaz teve no caminho a ideia de usar uma conta de seu haras para tentar descobrir quem era o bandido. Dito e feito, o cara caiu em nossa história. Nós respondemos à mensagem em que ele pedia dinheiro emprestado dizendo que os $ 9 mil que ele precisava estavam em mãos mas que precisávamos da conta dele e dados pessoais para o depósito.”

O estelionatário passou os dados pessoais do correntista de um banco do interior de São Paulo. “Avisamos a polícia que não podia fazer nada porque o crime não havia sido concluído’, disse  Fernandes.

Mas em Boston o hacker continuou a mandar mensagens pedindo dinheiro em-prestado até que percebeu que havia sido descoberto.

Na tarde da terça-feira, 3, o empresário Gilson Marçal, de Orlando, na Flórida, recorreu a outra rede social, o Instagram, para alertar seus amigos de que sua conta no WhatsApp havia sido clonada. “Não façam nenhum depósito e nem mandem dinheiro para ninguém. Essas mensagens que estão circulando no WhatsApp não são minhas, não pedi nada. Clonaram a minha conta,” disse ele num vídeo.